sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Aalst, Bélgica

Depois de Bruxelas, foi tempo de seguir para noroeste e visitar Aalst.

A estação de comboios fica nas margens do rio Denver, cujo calmo caudal alberga vários barcos que oferecem serviços de restaurantes e bares. Ao passar ao longo das margens, fiquei chocada com a falta de zelo e o subaproveitamento das mesmas e, com um leve sorriso de satisfação, relembrei as margens do rio Tejo, em Abrantes.
Era tempo de explorar a cidade!

Aalst e o seu aspecto frio já não me surpreenderam, uma vez que se assemelhava a Bruxelas, no entanto, e à parte disto, a cidade não parecia estar em nada relacionada com a sua capital. A ausência de movimentação nas ruas, de barulho e de pessoas, fez com que por momentos, aos meus olhos, a cidade parecesse fantasma.
O meu pensamento acabou por ser afastado pelo apito do comboio e por um cheiro que reconheci como sendo pão acabado de confeccionar. Afastado aquele pensamento arrepiante, respirei fundo, olhei a cidade que parecia parada no tempo e aventurei-me pela rua mais próxima.

Sem mapa e sem sequer possuir uma leve noção sobre os monumentos mais emblemáticos a serem visitados, acabei por vaguear por avenidas, ruas e ruelas. Ao longo das ruas exaltavam-se prédios antigos, predominantemente de arquitectura gótica e na sua maioria conservados através do tempo, cujo rés-do-chão servia os mais variados tipos de lojas e pubs. Apenas um edifício destoava pela modernidade, embora se apresentasse sóbrio: a biblioteca.
Foi nessa altura que me apercebi que a rua estava enfeitada com os típicos cordéis com papéis coloridos, tão usados nas festas populares das aldeias portuguesas e pensei, para mim própria, que afinal não somos povos assim tão diferentes.

Tive sorte, pois a rua onde ingressamos dava acesso directo ao centro da cidade, um local que desde logo saltava à vista como sendo o ponto de encontro da grande maioria dos habitantes da cidade, independentemente da sua idade. Encontrava-me no Market Place, o coração daquela cidade. É uma enorme e simples praça, repleta de bares e restaurantes para todos os gostos e todas as carteiras, com espaço sobejo para os mais pequenos brincarem livremente.
Perto desta praça pude visitar alguns dos principais monumentos da cidade e, descobri mais tarde, a zona comercial, onde se encontram também algumas marcas de renome.

Não me podia esquecer de provar os chocolates que são realmente bons, como aliás é do conhecimento geral, mas foram os gelados da gelataria que se encontra no largo da Estação de Comboios que me satisfizeram, são divinais.
A título de curiosidade, nunca vi tantos cães numa cidade!

Embora me tenha aguçado a curiosidade e o balanço da viagem tenha sido notoriamente positivo, a Bélgica continua a ser um país que não me desperta grande interesse. De qualquer forma, esta foi uma forma de ver um pouco do coração da União Europeia e ver a pitoresca cidade de Aalst, que de outra forma provavelmente não visitaria.

12 comentários:

  1. A falta de zelo também nós por cá temos.
    ...
    Podias ter feito também uma listinha de parecenças/diferenças.
    ...
    Têm de ir la fazer um filme de terror de série b!!!

    ResponderEliminar
  2. A falta de zelo há um pouco por todo o lado, infelizmente. A cidade acaba por ser muito pacata, se bem que pelos edifícios e ruas desertas seria um possível cenário sem dúvida.

    ResponderEliminar
  3. Teve sorte, considero ser sempre melhor conhecer os locais realizando passeios pedestres que contemplem os chavões do local em questão. Uma muito boa opção.

    ResponderEliminar
  4. Foi um bom começo de aventura cachopa mas onde anda Londres? :p

    ResponderEliminar
  5. Na altura tive uma sensação estranha, só isso. Concordo consigo Célia, mas ao fim de 10km numa city tour pedestre não planeada e com bolhas nos pés (o calçado não era o mais apropriado) já só pensava em encontrar um autocarro! Londres ficou em stand-by, infelizmente...

    ResponderEliminar
  6. 10km numa tarde?
    ...
    Tu és doida!
    ...
    Isso faço eu numa semana!

    ResponderEliminar
  7. Sim, foi literalmente até não aguentar mais.

    ResponderEliminar
  8. Músculo extra e noite bem dormida.
    ...
    É só benefícios!

    ResponderEliminar